Livaria da Igreja e artigos religiosos

Instituição da Igreja Diocesana do Porto

FUNDAÇÃO VOZ PORTUCALENSE

QUEM SOMOS

A Fundação Voz Portucalense (FVP) é uma instituição da Igreja Diocesana do Porto, constituída pessoa jurídica por Decreto do Bispo D. Armindo Lopes Coelho de 1.07.2003, tendo como fins imediatos “a promoção e difusão da doutrina cristã, o exercício da função de ensinar da Igreja, a apoio à acção pastoral e a vivificação do espírito humano e cristão”. A administração da FVP encontra na formulação destes fins imediatos quer a matriz de uma identidade humanista e cristã, quer  a convocação para servir a sociedade e a igreja, propondo a fé como fonte de racionalidade, de humanização e de libertação.

A FVP incorpora e prossegue o esforço de várias gerações, polarizando a sua actividade em três áreas:
* Iniciativa / actividade editorial.
* Publicação do semanário diocesano, Voz Portucalense
* Dinamização da livraria  

TEMAS E PUBLICAÇÕES:

Dor Universidade Católica: publicações Vida religiosa
Alegria Directório litúrgico Vocação
Envelhecimento Vida com qualidade Presbiterado
Auto-consciência Anuário S. Paulo
Personalidade Almanaques Novos desafios
Psicologia Igreja Portucalense Globalização
Família Revistas: espiritualidade e cultura Direitos humanos
Trabalho Catequese: crianças, jovens, adultos Étic
Festa Catecismo Ética social
O corpo Pedagogia da fé Pobreza
Sexualidade Bispos do Porto Justiça
Droga Espiritualidade Racismo
Dependências Oração Regionalização
Livros litúrgicos Espiritualidade franciscana Deus e a Europa
Leccionários Formação cristã Cadernos Bíblicos
Missais Busca de Deus Conferência Episcopal
Celebrações litúrgicas Caminhos para Deus Arte
Hagiografia Eclesiologia Património
Vida de Santos História da Igreja Cultura
Fátima Confissões religiosas
Mariologia Seitas
Marialogia
Cristologia
Ciências Biblicas
Edições da biblia

Produtos e Serviços

1.INICIATIVA/ ACTIVIDADE  EDITORIAL

  Herdámos e conservamos um vasto, diversificado e rico conjunto de títulos, com que, desde os anos 70, no século passado, a Editora Telos foi captando, sinalizando e reflectindo os grandes temas da actualidade eclesial, teológica, económica, laboral, social e política. A Telos publicou, nomeadamente, Cadernos Telos, as colecções Teologia e Sociedade, Universitas, Re/Formar, Boletim de Música Litúrgica, a revista Igreja Portucalense. A FVP publicou, entretanto, entre outros, os títulos: Introdução à Vida Devota, O Ateísmo Científico Emergente, Cadernos Palavra Partilhada, Manuel Álvaro de Madureira´ in memoriam.

 2. Semanário VOZ PORTUCALENSE

 Órgão oficial da diocese, fundado em 1921, como VOZ DO PASTOR, por D. António Barbosa Leão, foi refundado em 1970, por D. António Ferreira Gomes, com o título que hoje ostenta. Com tiragem média de 7.000 exemplares, tem implantação predominante na diocese do Porto, sendo lido e assinado por todo o Continente e Ilhas e pelos quatro cantos do Mundo. Órgão de informação, pretende ainda ser um espaço de encontro e reflexão sobre as questões que coloca todo o ser humano que procure viver com sentido.

 3. LIVRARIA DA FVP

 Outrora designada como Casa da Boa Imprensa, mais tarde Livraria Telos, a Livraria da FVP, na Rua de Santa Catarina, é mais do que uma casa que vende livros. Espaço atento às editoras que proponham títulos abertos às grandes interrogações e respostas que se oferecem ao ser humano, crente ou não crente, a livraria da FVP está particularmente atenta aos caminhos que se vão abrindo nos âmbitos das ciências bíblicas, da teologia, da liturgia, da hagiografia, da catequese, da exegese, da pastoral, da antropologia, da ecologia, da ética, da arte, e de uma espiritualidade encarnada. Recentemente, num esforço de apoio às necessidades das paróquias, alargou as suas propostas ao sector de arte sacra, objectos litúrgicos e paramentaria.

Segundo o conceito que nos orienta, procuramos fazer da livraria um espaço de convívio com o livro e de leitores/ pessoas entre si. Para isso preparámos um espaço aberto disponível para a leitura, a reflexão, o encontro, o diálogo, o intercâmbio, o convívio, o descanso… – a SALA DE CIMA. Ali expomos, para consulta, os jornais do país com os quais permutamos a par das revistas CONCILIUM, HUMANISTICA E TEOLOGIA, LA VIE, BROTÉRIA, VIDA NUEVA, IGLESIA VIVA, ENCRUCILLADA e  edição semanal em Português do OSSERVATORE ROMANO. A SALA DE CIMA é também espaço de preservação da memória: guarda documentos marcantes da história da Fundação, entre eles colecções de todos os exemplares encadernados da Voz do Pastor/ Voz Portucalense.


Contactos

facebook
Morada:

Rua Santa Catarina, 521
4000-452 Porto

Região:

Grande Porto

Telefone:

Secretaria 222073610 Livraria 222073612 Redacção 222073617

Fax:

22073611

Telemóvel:

22073611

E-mail:

secretariavp@gmail.com ou livrariavp@gmail.com ou vp@voz-portucalense.pt

Gerente:

Pe. Manuel Correia Fernandes, Director- Joaquim Moreira Branco , Director Adjunto- João Alves Dias, Assessor-António Teixeira Coelho

GPS:

41º09´´02.81´´N 8º36´´19.83´´O

Horário:

09h as 12.30h e das 14.30h as 19h

Encerramento:

Sábados e Domingos e ferias na 1ª quinzena de Agosto

Website:

https://www.voz-portucalense.pt/


Envie a sua mensagem

Sporting aumenta emissão obrigacionista para até 40 milhões de euros
A SAD do Sporting decidiu esta terça-feira, o último dia em que o podia fazer, aumentar o montante máximo da emissão obrigacionista de 30 para 40 milhões de euros.
DGS: Mais de 104 mil pessoas vacinadas contra o coronavírus e gripe nas últimas 24 horas
Com a vacinação primária completa contra o SARS-CoV-2 estão agora 8.577.814 pessoas, mais 3.112 que nas últimas 24 horas, enquanto a terceira dose já foi administrada a um total de 1.220.663 pessoas, mais 59.136 do que no dia anterior.
Com 52 mil milhões a caminho, "o desafio" é acelerar execução de fundos europeus, alerta AD&C
Agência para o Desenvolvimento e Coesão diz que é preciso encurtar o "diferencial" entre os montantes comprometidos e executados dos fundos europeus, em vésperas de se concluir o PT2020 e se dar início a mais um quadro comunitário. Fundos de desenvolvimento regional e de coesão têm maior diferença entre o que foi acordado e o que foi contratualizado.